Estudos > Tipos de Dança > Dança dos Sete Véus

Dança dos Sete Véus

São 3 as histórias que cercam este tipo de dança. Conheça cada uma delas:

 

A dança dos véus de Ishtar

 

Ishtar é a deusa dos acádios, herança dos seus antecessores sumérios, cognata da deusa Asterote dos filisteus, de Isis dos egipcios, Inanna dos sumérios e da Astarte dos Gregos. Mais tarde esta deusa foi assumida também na mitologia Nórdica como Easter - a deusa da fertilidade e da primavera.

 

Esta deusa era irmã gêmea de Shamash e filha do importante deus lua - Sin. Esta deusa é representada pelo planeta Vénus.

 

Considerados uma das maravilhas do mundo, os Portões de Ishtar, na Babilônia, foram transportados para um museu na Europa -Museu de Berlim. Uma réplica encontra-se no Iraque.

 

Como conta a lenda, as sacertoditas de Ishtar dançavam a Dança dos Sete Véus de como sendo uma forma de auto conhecimento e elevação do ser feminino.

 

Não há se quer registros escritos ou orais do mesmo para elaborar a dança conforme dançavam antigamente, mas através de intuições artísticas buscamos resgatar suas origens.

 

Dizem que Ishtar , após saber da morte de seu marido, possibilitou rever o seu grande amor novamente.

 

Ishtar veste-se com glória e coragem e desce ao submundo, o mundo dos Mortos, atrás do seu grande amor.

 

Com o objetivo de revê-lo ela tem que passar por sete portões. Após o encontro com cada portão, ela dispõe de uma jóia e um de seus véus retirando-os um por vez até o último portão.

 

Durante sua estada no mundo subterrâneo não há vida alguma, nem plantas, nem amor, nem alegria e felicidade alguma. Somente quando Ishtar volta a seu mundo seus véus são recolocados um a um e seus segredos são guardados dos olhos dos mortais e sua vida recomeça.

 

Podemos dizer que o amor incondicional levou Ishtar até ao mundo dos mortos para rever seu grande amor.

 

Salomé

 

 

Desde os tempos Bíblicos, Salomé tem sido uma figura de mistério e intriga. A versão original de sua história é fundamentada na Bíblia, no 1º testamento.

 

Existem alguns registros que durante sua dança foi tirando alguns véus e realizando movimentações de quadril, além também de delicados tremidos e ondulações abdominais. E é aqui que se encontra a ligação da Dança dos Sete véus com a Dança de Salomé.

 

Neta de Herodes o Grande, Salomé era filha de Herodes Filipe e Herodias, tendo sido criada na corte do tio, Herodes Antipas. No Novo Testamento ela é apontada como responsável pela execução de João Baptista.

Praticamente não há fontes históricas sobre essa personagem, de tal sorte que a referência mais substancial sobre ela continua sendo os Evangelhos.

Nos relatos de Mateus (14, 1-11) e Marcos (6,17-28), que em muito se assemelham, descreve-se uma festa no palácio de Herodes Antipas na qual Salomé sobrinha e enteada do Tetrarca, dançam para ele. Entusiasmado com o espetáculo, Antipas (provavelmente embriagado) compromete-se a lhe dar a recompensa que ela houver por bem pedir.

 

É quando intervém Herodias mãe de Salomé. Ela odeia João Batista que preso nas masmorras do palácio, por  acusá-la de adultério por ter deixado seu esposo, Herodes Filipe para juntar-se ao irmão dele, Antipas.

 

Herodias instrui a filha para que peça a cabeça do profeta e ela assim o faz. Ao Tetrarca, que empenhara sua palavra, não resta outro recurso senão atender à exigência da sobrinha ainda que isso o constranja, pois receia as consequências dessa decisão, haja vista o prestígio de João junto ao povo.

A história de Salomé, como é contada pelos evangelistas, tem sido objeto de inspiração para vários escritores de ficção dentre os quais, o argentino Vargas Vila e o irlandês Oscar Wilde.

 

“(...) Por que não me olhas, Iocanaan? Teus olhos, que eram terríveis, tão cheios de ódio e escárnio, estão fechados agora. Por que estão fechados? Abre-os! Ergue as pálpebras, Iocanaan! Por que não me olhas? Estás com medo de mim, Iocanaan, e por isso não me olhas? E a tua língua, que era como uma serpente vermelha expelindo veneno, não se move mais, nada diz agora, Iocanaan, aquela víbora vermelha que cuspilhava veneno contra mim? É estranho, não? Como é que a víbora vermelha já não se move?... Consideraste-me ninguém, Iocanaan. Desprezaste-me. Pronunciaste ignóbeis palavras contra mim. Tratou-me como uma meretriz, uma dissoluta, a mim, Salomé, filha de Herodíade, princesa da Judéia! Bem, Iocanaan, eu estou viva; mas tu estás morto e tua cabeça me pertence (...)”

 

Dança dos sete véus e os Chakras

 

Inspirada nos setes principais chakras, a dança é criada através de ritmos, respiração, visualização, cores e imagens.

 

Chakras são, segundo a filosofia ioga, canais dentro do corpo humano(nadis) por onde circula a energia vital (prana) que nutre órgãos e sistemas. Existem várias rotas diferentes e independentes por onde circulam esta energia. Os chakras são os pontos onde essas rotas energéticas estão mais próximos da superfície do corpo.

 

Imagine que os Chakras são uma lâmpada com uma tomada do lado. Eles tanto indicam a quantidade de energia naquele sistema específico como podem ser usados para recarregar a energia do sistema. Existem muitos canais e uma grande divergência quanto ao número exato. Algumas linhas afirmam existir 32, outra 114 e ainda 88.000 - sendo firmado todos que os principais são sete.

 

A palavra chakra vem do sânscrito e significa roda, disco, centro, plexo. Nesta forma eles são percebidos por videntes como vórtices (redemoinhos) de energia vital, espirais girando em alta velocidade, vibrando em pontos vitais de nosso corpo. Os chakras são pontos de interseção entre vários planos e através deles nosso corpo etérico se manifesta mais intensamente no corpo físico.

 

São sete os principais chakras, dispostos desde a base da coluna vertebral até o alto da cabeça e cada um corresponde à uma das sete principais glândulas do corpo humano. Cada um destes chakras está em estreita correspondência com certas funções físicas, mentais, vitais ou espirituais.

 

1- Chakra Básico (localizado nos órgãos genitais e na pélvis.

2- Chakra Esplênico (localizado na lombar e abaixo do umbigo)

3- Chakra Plexo Solar (localizado um pouco acima do umbigo)

4- Chakra do Coraçao (localizado no coração)

5- Chakra Laríngeo (localizado sobre a garganta)

6- Chakra Frontal (localizado entre as sobrancelhas)

7- Chakra Coronáreo (localizado no topo da cabeça)