Estudos > Bailarinas > Fifi Abdo

Fifi Abdo

Fifi Abdo talvez tenha sido a bailarina de Dança Oriental mais polêmica. É admirada por milhões e, igualmente, odiada e considerada vulgar por outros milhões de pessoas. Tornou-se um ícone da Dança Oriental.

Nascida em 1953 com o nome de Atiyat Abdul Fattah Ibrahim, em uma família pobre, quando menina ficava em casa assistindo filmes das bailarinas Taheyya Karioca e Naima Akef, entre outras, imitando seus passos.

 

Determinada a se tornar bailarina, fugiu de casa aos 12 anos, com uma amiga que era artista de uma companhia de dança. Mais tarde tornou-se empregada doméstica de um músico que acabou descobrindo o seu talento e a iniciou na carreira profissional.

 

Sua personalidade forte, tanto no palco como nos bastidores, fizeram dela uma celebridade no Egito, a ponto de ser chamada por muitos como a quarta pirâmide do Egito. A ousadia é sua marca registrada.

 

Seu nome esteve envolvido em muitos escândalos. Seus controversos shows em locais cinco estrelas a fizeram  famosa, Além disso, foi envolvida em muitas polêmicas, a fim de aumentar a atenção e comoção, o que deu certo. Fifi Abdou marca presença tanto nos tribunais como nos salões de baile.

 

Como resultado, ela nunca sai sem seus guarda-costas para protegê-la contra os excessos de admiradores ou adversários. Apesar de a rede de televisão egípcia ter proibido a exibição de todos os dramas estrelados por Fifi, sua popularidade permanece inalterada.

 

Além de bailarina e atriz, tornou-se também uma mulher de negócios. Seu faturamento é alto, tendo sido considerada uma das mulheres mais ricas do Cairo, tendo, entre seus bens, mais de cinco mil roupas de dança do ventre. Apesar disso, nunca se esqueceu de sua origem humilde. Fifi faz doações para aproximadamente 30 famílias carentes, mas os islâmicos dizem que seu dinheiro é sujo e ilegal, que não deve servir de alimento para ninguém. Ela contesta, dizendo que seu dinheiro é bonito, porque ela o ganha graças a seu árduo trabalho. Que no meio do inverno, ela dança descalça, sobre um chão frio, enquanto mulheres de alta sociedade, vestidas em pele, assistem-na na platéia. Sua personalidade é rebelde.

 

Muitas mulheres a veem como uma heroína pela sua audácia em uma país onde ser mulher acarreta a vivência de muitas dificuldades, principalmente se essa mulher for também artista.

Mesmo em suas últimas produções, ela ainda encontra inspiração para acrescentar algo mais à sua performance de dança, sempre com muita criatividade.

 

Entre suas características marcantes está seu estilo solto e improvisado, além de causar inveja a qualquer dançarina com seu estonteante shimmy (tremor dos quadris). Em sua orquestra, o alaúde toma frente, para atuar em combinação com seus shimmies.  Ela afirma que não teve professora que a ensinasse os passos, todos surgiram de dentro dela. O seu forte é a interpretação da música, muito mais do que a utilização de sequências elaboradas. Tem controle admirável sobre seu corpo e uma presença de palco e sorriso cativantes.