Estudos > Oum Kalthoum

Oum Kalthoum

A linda história de uma mulher que queria cantar.

Oum Kalthoum nasceu em uma vila rural do delta do Nilo conhecida como Tamayet-el-Zahayra, entre 1898 e 1904, a data é imprecisa. Ainda era muito pequena quando entrou em uma escola religiosa e lá aprendeu a memorizar o Alcorão (Qur’na) e a falar árabe perfeitamente. Nesta época, seu pai e alguns familiares faziam apresentações de canto em casamentos e festas. De tanto ouvi-los, aprendeu a cantar e, em pouco tempo, já cobria ausências no coral cujo repertório era de músicas religiosas e citações do livro. Aos oito anos, impressionava plateias e foi convidada para cantar nas cidades vizinhas.

 

Em meados de 1920, Oum fez sua primeira apresentação no Cairo, maselas ficaram mais frequentes e a família precisou mudar-se para lá. Oito anos depois, cantava em teatros e casas de espetáculos músicas compostas especialmente para ela.

 

Durante sua carreira, passou por diversas fases, ora inspiradas pelos músicos e compositores que conhecia, ora pela situação sócio-política do Egito. Nos anos 1930, cantava letras de amor e tinha um programa no rádio nas noites de quinta-feira. Em 1935, estreou no cinema e fez cinco filmes como cantora e um como atriz. A década de 40 ficou conhecida como “A era de ouro de Oum Kalthoum” e marcada com set lists de músicas que elogiava as classes trabalhadoras. Quem morava no Egito ouvia comumente: “quer aprender árabe, então ouça Oum Kalthoum” ou “ela ensina poesia para as massas.” Nos anos 1950 e 1960 priorizou as músicas nacionais e de compositores e letristas novos, como Muhammad ‘Abd AL-Wahhab e Riyad El-Sombati. Com a expansão as redes de televisão, Oum ficou ainda mais conhecida.

 

Uma particularidade dela é que ela gostava de observar a plateia antes de entrar no espetáculo, pois assim decidia como faria a interpretação naquela noite, como se o público a inspirasse, passando energias. Suas apresentações também tinham outra peculiaridade: em geral, eram escolhidas apenas duas ou três músicas que podiam durar até quatro horas.

 

Oum foi realmente uma grande diva e recebeu centenas de músicas escritas especialmente para ela por compositores e letristas como Ahmad Rami, que escreveu 137 canções.

 

Características:

- Flexibilidade vocal e pronúncia perfeita;

- Tocava instrumentos e tinha noções de composição;

- Explorava macams e macamats;

- Contralto, tinha uma voz tão potente que precisava cantar longe dos microfones para não estourar o som.

 

Fonte: https://cadernosdedanca.wordpress.com