Estudos > Ritmos Árabes

Clique nos botões para ouvir.

Baladi

DUM – DUM – TAKATA – DUM – TAKATA (4/4 tempos)

O Baladi tem quatro tempos, é uma das variações mais básicas do ritmo Maksum. Caracterizado pelos seus dois “duns”, é muito presente na maioria das músicas árabes, seja tradicional, clássica ou moderna. Alguns acreditam que o ritmo deveria ser chamado masmudi saghiir, pois o ritmo utiliza a mesma estrutura do Masmudi, mas, em um outro tempo (o masmudi é tocado em 8).  O termo “baladi” significa “da minha terra” ou “à moda antiga”.

Said

DUM - TAK– DUM DUM – TAKATA (4/4 tempos)

Originário do sul do Egito, traduzido diretamente para o português significa "feliz".

Ritmo base em danças folclóricas quando acompanhado do mizmar, como a dança da bengala, conhecida em árabe como Raks Al Assaya. É um ritmo árabe 4/4 bastante popular executado em ocasiões festivas. Muito popular no alto Egito, é o reverso do Baladi. Os dois Duns que iniciam o Baladi, aqui são encontrados no centro do compasso. Usualmente tocado de forma acelerada, possui acentos fortes, com sobreposições de graves por todo o compasso (catacofti).

Além de utilizado em músicas folclóricas é muito utilizado também em outras músicas convencionais.

Whada Wo Noz

DUM – TAKATA – TAKA TA – TAKATA - TAK – DUM – DUM – TAK (8/4 tempos)

Wahda wo noz significa 1 e ½. É um ritmo executado muito lentamente, com 8 tempos. Encontrado em músicas clássicas e muito presente em solos de derbake, embala o momento de pura concentração e sinuosidade dos movimentos da bailarina. Grande momento para o músico mostrar habilidades e musicalidade, para compor arranjos e variações belas desse ritmo.

Malfuf

DUM – TAK – TAK (2/4 tempos)

O Malfuf ou Luf, com significados “embrulhado” e “enrolado” respectivamente, é um ritmo de 4 tempos com uma velocidade mais elevada. Muito utilizado em músicas clássicas e solos de derbake, o Malfuf é um ritmo de deslocamento da bailarina, onde a mesma passeia pelos palcos com graça e simpatia.

Soudi

DUM – KA – DUM – TAKATA (2/4 tempos)

Aadany ou Soudi significa "aquilo que é da Arábia Saudita" ou "que vem do Golfo". Khaleege significa Golfo. E é um ritmo 2/4.

Especial para dança Khaleege. Essa é uma dança tradicional originária do Golfo Pérsico. Os movimentos desta dança são marcados nos contratempos, feitos pelo "Merwas" (pandeiro do Yemen). O Tabla ou Derbake, quando tocado sem esse acompanhamento resulta em algo empobrecido e até mesmo descaracterizando a intenção "para cima", que se sente ao ouvir os acentos fora do pulso do compasso. Em festas femininas e casamentos é comum que as mulheres coloquem o tradicional vestido khaleege (chamado de Tobe al Nashar) por cima de sua roupa de festa e dancem sempre. São festas fechadas e familiares.

Os países do Golfo Pérsico onde este ritmo é mais conhecido são: Kuwait, Qatar, Omã, Bahrein, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

No oriente, é chamada dança dos desertos, já que os nômades são os bailarinos tradicionais. As mulheres vestidas com suas longas túnicas de corte geométrico e ricamente bordadas, dançam de forma bastante sensual movendo a cabeça, mexendo os cabelos e marcando o ritmo com os pés. Nos shows tradicionais fora de seu país de origem, às vezes a bailarina para homenagear alguém da platéia que provém de um destes países, insere uma pequena demonstração de khaleege em sua apresentação, o que faz a alegria dos turistas.

Jerk ou Sherk

DUM TAKATA (sac) TAKADUM KADUM KATA (sac) TAKA

(4/4 tempos)

Jerk é um ritmo moderno, de 4 tempos, inspirado em um dança, muito parecida com o samba, que leva o mesmo nome. É um ritmo muito tocado em solos de derbake, para marcações das bailarinas, bem como é muito encontrado em músicas modernas.

Bambi

DUM DUM DUM TAKÁ TAKÁ TAKÁ KÁ (4/4 tempos)

O Bambi é um ritmo mais rápido utilizado muito em solos de derbake e músicas clássicas. É um ritmo de impacto.

Karachi

TAK TARAK DUM (2/4 tempos)

É usado no Egito e norte da África. É um ritmo bem acelerado, curto e constante.

Ritmo 2/4, significa "rolar". É um ritmo rápido, amplamente utilizado no Egito e no norte da África, apesar de não ser um ritmo egípcio. É fácil perceber que ele não pertence à música egípcia, porque o início de seu compasso não é marcado por Dum (uma batida grave), mas por Tak (uma batida aguda). Este não é um ritmo comum.

Bom para deslocamentos. Mais comum em entradas e saídas de palco. É curto e constante.

Karsilama

DUM TAKATÁ TAKADUM TAKATÁ KATÁ (9/8 tempos)

Ritmo bastante conhecido na Turquia e na Grécia. Utilizado no acompanhamento de musicas de natureza folclórica. A principal característica são as três batidas fortes no final de cada sequencia.

Fox

DUM TÁ DUM TÁ DUM TÁ DUM TÁ (2/4 tempos)

O ritmo vox (foks ou fox) é conhecido por ser uma marcha. Não é um ritmo árabe, mas sim uma variação do foxtrot (presente na música moderna ocidental) que começou a ser usado por compositores egípcios como Mohamad Abdel Wahab. Normalmente aparece nas entradas das músicas clássicas e é constante e acelerado.

Jabalee Taweela ou Chobi

DUM,DUM,DUM, TAK - DUM - TAKA - TAKA (4/4 tempos)

Ritmo das montanhas do Líbano. Aparece em músicas folclóricas como Dabke. Este ritmo tem uma pulsação forte acentuada no início da frase musical. Basicamente folclórico, os jabalees são pessoas muito simples, que moram nas montanhas do Líbano. A Dança de roda ou Roda de dabke é realizada muito nos países árabes, para comemorar um casamento, aniversário, nascimento ou algum acontecimento de muita alegria. No Brasil conhecido como jabalee é o mesmo ritmo chamado de catacofti por músicos libaneses utilizado para dançar o Dabke, bem como aparece como sobreposição no Said para dançar Raks Al Assaya.

Rush

Não é bem um ritmo, mas sim, um floreado utilizado pelo percussionista que causa grande impacto no publico.

Não possui acento pré-determinado nem contagem, as oscilações de aceleração são totalmente improvisadas e por esse motivo, a bailarina e o musico devem estar perfeitamente entrosados. Para o publico comum, o instrumento leva a musica para dentro de seus ouvidos, e através do corpo da bailarina, é possível sentir a tradução exata das notas musicais.

Maksoum

DUM –  TAKATA – DUM – TAKA TAKA (4/4 tempos)

O maksum tem quatro tempos e é a base de muitos outros ritmos, sendo bastante encontrado em diversas músicas árabes modernas. Na Tunísia, por exemplo, esse ritmo pode receber o nome de Duyek, mantendo a sua estrutura e cadência. O Termo maksum significa “cortado ao meio”.

Ayoub

DUM – KA – DUM – TAK (2/4 tempos)

O Ayub é um ritmo bem simples, de 2 tempos. É utilizado como ritmo básico para uma dança folclórica, denominada Zaar, muito presente no norte da África. Esse ritmo caracteriza-se por ter uma variada opção de velocidade, rápido ou lento. O ritmo rápido é encontrado em músicas tradicionais, bem como em solos de derbake, e o lento é encontrado nas músicas folclóricas.

Fallahi

DUM - TAKA - DUM - TAKA (2/4 tempos)

O Falahi também se origina no Maksoum, mas com 2 tempos. Muito comum no Egito, é executado numa velocidade um pouco maior. Por se tratar de um ritmo em uma velocidade mais elevada, pode ser encontrado em solos de derbake, em momentos de explosão, e em músicas tradicionais, folclóricas, clássicas e modernas.

Tschifftitelli

DUM – TAKA, TAKA – DUM -TAKATA – TAK (8/4 tempos)

O Tschifteteli é considerado um ritmo Turco, mas sua base é muito semelhante à um Maksum. Marcado por uma cadência “diferente”, o ritmo é tocado em uma velocidade mais lenta acompanhando o Taksim, que é a improvisação melódica de outro instrumento. Egípcios utilizam uma versão mais simples do Tschifteteli e a denominam Wahda Khabir.

Masmoudi

Saghir (3 duns)

DUM, DUM, DUM, TAKATA– DUM – TAKATA– TAKATA– TAKATA - T

 

Kbir (2 duns)

DUM, DUM, TAKATA- DUM - TAKATA– TAKATA– TAKATA - T

O Masmudi é um ritmo de 8 tempos. Um pouco mais lento, o ritmo é também chamado de Masmudi Khabir (grande) para diferencia-lo do Saghir (pequeno). Por se tratar de um ritmo “mais LONGO”, é utilizado em solos, em parte de maiores detalhes e menores velocidades do movimento. O Masmudi oferece uma “quebra” na velocidade do solo. O ritmo pode ser encontrado também em músicas clássicas.

Valz ou Darag

DUM – TAKÁ – TAKÁ (3/4 tempos)

O Darag é um ritmo de 4 tempos, geralmente tocado com uma velocidade mais elevada. É marcado pela sua cadência e acentuação “diferente”.  É acompanhado em geral, com deslocamento da bailarina. Muito utilizado no Egito, está presente em muitas músicas clássicas e solos de derbake também.

Samai

DUM – TAK TAK TAK- és - DUM-DUM-TÁK - TAK és (10/8 tempos)

Ritmo que aparece nas músicas para ouvir e apreciar, não somente dançar. Suavidade e delicadeza são características deste ritmo, originário da Andaluzia (sul da Espanha). É um ritmo muito complexo.

Vem da estrutura antiga de música árabe. A palavra "Samaai" significa "escutar". É uma música montada em cima de uma métrica poética específica, com um ritmo específico e feita para o deleite. Uma música para ser apreciada e não necessariamente dançada. Ritmo amplamente utilizado na música clássica egípcia e na música sufi turca. Possui uma seqüência de três partes: uma com 3 tempos, uma com 4 tempos e uma com 3 tempos. Juntas, compõem um ritmo 10/8 utilizado nas composições chamadas Samaaiat.

Pode aparecer dentro de uma música para dança, mas ela não é tão comum assim. Se essa música for feita para ser apreciada, ela exige de certa forma, todo um respeito e uma contemplação.

Se esse ritmo aparecer numa música para dança é esperado da bailarina que ela possa reproduzir no próprio corpo a suavidade e a delicadeza que este ritmo imprime. E de certa forma, só mesmo acostumando nossos ouvidos escutando as peças mais antigas, poderíamos estar sintonizando melhor este significado.

É o ritmo típico do "Moash'ras" ou andalucia, que é a música que nasceu no sul da Espanha, na época em que os árabes migraram para lá e ficaram por um tempo. Uma música rica, delicada e encantadora.

Zaff

DUM – TAKTAK -TAK – DUM – TAKÁ –S (4/4 tempos)

Ritmo 4/4 egípcio é o ritmo da marcha nupcial oriental específico para casamento. Em especial, é a despedida da noiva da casa dos pais e a entrada dela numa vida nova. É tocado não só pelo derbake, mas também pelo daff e principalmente pelo mazhar. Normalmente é feita uma procissão, muito típica no Cairo quando a noiva se despede da casa dos pais, na noite do casamento (apenas nesta noite, não no noivado, não no pedido, não em outra ocasião), ela vai passar pela casa da mãe e os amigos vão juntos. Existe uma música que se chama "Do'u El Mazhar", a tradução seria "Que toquem os Mazhars", porque diversas pessoas vão a pé, caminhando junto com a noiva e passam pela casa dela porque ela vai entrar numa vida nova. Este ritual significa que ela possa deixar para trás na noite do casamento qualquer sentimento que possa incomodar os maus-olhados; é como se fosse um ritual de boa-sorte.

Essa procissão, essa passagem tem que ser feita a pé.

Sombati

DUM TÁ TÁ DUM TA (4/4 tempos)

Este é um ritmo de compasso de 4/4 e pode ter variações lentas ou rápidas.

Tendo a referência do Maksoum é mais fácil compreender a formação do Sombati. Sua forma simples é escrita como DUM TATA DUM TA. Agora compare os dois ritmos e perceba que a diferença essencial está na pausa entre os dois TAKs. Isso significa que o Sombati assume uma forma um pouco mais acentuada do que o Maksoum quando tocado.Em geral, nas versões lentas aparece em taqsims. O músico Vitor Abdu Hiar afirma em seu site que este ritmo representa o trote de um cavalo em marcha. É muito comum encontrá-lo em composições ocidentais, em especial em trilhas sonoras como a música tema do filme Lawrence da Arábia.

Rumba

DUM DUM TAKA TAKA (2/4 tempos)

A Rumba e o Bolero são ritmos claramente ocidentais, incorporados àdança do ventre pelas naturais trocas culturais em meados do séc. XX. ARumba e o Bolero são originalmente da Espanha, mas possuem modificações por toda a América Espanhola. Na dança do ventre estes ritmos aparecem em músicas clássicas e em algumas músicas modernas egípcias.

Hatcha ou Hajja

DUM TAKATA tAKA (4/4 tempos)

Ritmo mais lento e considerado muito envolvente, originário da Síria e do Líbano.

Bolero

DUM TAKA TA TAKA (4/4 tempos)

Um pouco mais lento que a Rumba.